AS IMPLICAÇÕES DA TEORIA DE CARL RANSOM ROGERS PARA A EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS

  • Edilson Silva
  • Jéssica Morais
  • Ierecê Barbosa

Resumo

Perceber-se como uma pessoa capaz de alterar sua própria condição e de conduzir seus processos de mudança nem sempre foram tarefas creditadas a pacientes (clientes para Carl Rogers) ou alunos. Carl Ransom Rogers foi o precursor de estudos que revolucionaram a área da psicologia clínica, difundindo-se daí para outros seguimentos, chegando à escola trazendo consigo um novo olhar sobre o aluno. Apresenta em sua teoria vários conceitos relevantes para o contexto educativo tais como: Campo fenomenal, Self, Self Ideal, Congruência e incongruência. Autores como Davidoff (2009), Fadiman & Frager (1986), Battáglia (2010) e o próprio Rogers (1997) nos ajudarão a compreender melhor essa teoria e desmistificar algumas crenças que persistem em vigorar em alguns espaços, principalmente no âmbito escolar. Este artigo compreende a uma revisão bibliográfica baseada em artigos, livros e sites da internet, uma abordagem instigante e emocionante do que entendemos aqui como reconhecidamente uma teoria da educação que por muitos ainda é negada, acredita-se que por falta de leituras aprofundadas no tema e pela ventilação desprovida de respaldo teórico que ora se percebe em muitos espaços. A teoria rogeriana vai além de uma visão passiva que acredita que o aluno é mero receptor ou que é incapaz de guiar, conduzir seus percursos investigativos, caminhos profissionais etc. Emite um sentido formativo ao professor que ajudará o aluno a reconhecer-se nessa caminhada rumo ao sucesso e realização pessoal

Publicado
2017-04-25
Como Citar
SILVA, Edilson; MORAIS, Jéssica; BARBOSA, Ierecê. AS IMPLICAÇÕES DA TEORIA DE CARL RANSOM ROGERS PARA A EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS. Revista Areté | Revista Amazônica de Ensino de Ciências, [S.l.], v. 6, n. 10, p. 63-72, abr. 2017. ISSN 1984-7505. Disponível em: <http://periodicos.uea.edu.br/index.php/arete/article/view/61>. Acesso em: 13 dez. 2019.
Seção
Artigos