O ENSINO DE CIÊNCIAS EM ESPAÇOS NÃO FORMAIS A PARTIR DOS SABERES LOCAIS EM UMA COMUNIDADE RIBEIRINHA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS-AM

  • Maria Bruce
  • Lucinete da Costa
  • Monica Aikawa

Resumo

As comunidades ribeirinhas de várzea do município de Parintins no Amazonas possuem contextos diferentes dos percebidos nas áreas metropolitanas onde há um aglomerado de indústrias e urbanização com saneamento básico, transporte coletivo e infraestrutura. São comunidades amazônicas cujo ambiente é formado por floresta e braços de rio, mas que se organizam com sistemas de educação convencional, comerciais e instituições religiosas. Dentro dessa realidade destacamos uma experiência pedagógica realizada em espaços não formais incluindo os elementos naturais da fauna e flora local presentes na comunidade denominada Divino Espírito Santo, cujo objetivo envolve compreender a visão dos estudantes a respeito das aulas de ciências a partir da realidade local. A metodologia enveredou-se pela abordagem qualitativa de Chizzotti (1996), com as técnicas de observação participante com 17 estudantes do 6º ano do Ensino Fundamental. Os resultados evidenciaram a contextualização dos saberes escolares, a partir da compreensão previa dos estudantes que facilitou a aproximação com os conhecimentos das ciências, assim como a inclusão dos saberes locais vivenciados em seu cotidiano na aula possibilitaram uma aprendizagem significativa neste imenso laboratório natural.

Publicado
2017-05-05
Como Citar
BRUCE, Maria; DA COSTA, Lucinete; AIKAWA, Monica. O ENSINO DE CIÊNCIAS EM ESPAÇOS NÃO FORMAIS A PARTIR DOS SABERES LOCAIS EM UMA COMUNIDADE RIBEIRINHA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS-AM. Revista Areté | Revista Amazônica de Ensino de Ciências, [S.l.], v. 9, n. 18, p. 01-12, maio 2017. ISSN 1984-7505. Disponível em: <http://periodicos.uea.edu.br/index.php/arete/article/view/192>. Acesso em: 13 dez. 2019.
Seção
Artigos