Intersecções entre Lélia Gonzalez e Paulo Freire: uma aproximação inicial

Resumo

O artigo parte da desigualdade social e educacional historicamente verificada na sociedade brasileira e agora sob risco de adquirir maior gravidade diante da condução do governo Bolsonaro na pandemia. O pretendido é apontar, em caráter de uma aproximação inicial, intersecções entre Lélia Gonzalez e Paulo Freire, analisando a forma com que esses autores tratam as desigualdades, e ressaltar a importância que essas intersecções têm no seu combate, corroborando para uma educação popular das e para mulheres negras como corte principal da nossa discussão. Aponta-se que a educação popular feminista negra, por ser emancipadora, antirracista e antissexista, é uma estratégia de enfrentamento das desigualdades de raça, gênero e classe. Trata-se de uma pesquisa exploratória e bibliográfica, realizada através da análise de conteúdo.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Professor Associado IV da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro no Departamento de Educação e Sociedade do Instituto Multidisciplinar (Campus Nova Iguaçu) e no Programa de Pós-Graduação em Educação, Contextos Contemporâneos e Demandas Populares (PPGEduc-UFRRJ). Coordenador do GRPESQ Estudos Freireanos Contemporâneos e Currículo. Membro do Fórum Estadual de Educação do Rio de Janeiro como representante da UFRRJ.

##submission.authorWithAffiliation##

Pedagoga com especialização em Educação Transformadora: Pedagogia, Fundamentos e Práticas pela PUCRS (2020). Atua como professora II da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro desde 2000 e participa do Grupo de Pesquisa Estudos Freireanos Contemporâneos e Currículo da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ).

Referências

AGÊNCIA BRASIL. Primeiro caso de covid-19 no Brasil completa um ano. 2021. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/noticia/2021-02/primeiro-caso-de-covid-19-no-brasil-completaum-ano. Acesso em 07 abr. 2021.

ALMEIDA, Carla Cristina Lima de; LOLE, Ana. Educação Popular nas Lutas Libertárias Contemporâneas. Movimento-Revista de Educação, Niterói, ano 1, n. 12, p. 183-204, jan./abr. 2020.

ARRAES, Jarid. Feminismo negro: sobre minorias dentro da minoria. Sul 21, 2014. Disponível em: . Acesso em 20 mar. 2021.

BAIRROS, Luiza. Lembrando Lélia Gonzalez 1935-1994. Afro-Ásia. 2000.n. 23. Disponívem em: . Acesso em 20 mar. 2021.

BASILIO, Ana Luiza. “Bolsonaro só não manda matar Paulo Freire porque ele já morreu”. Disponível em: . Acesso em 5 abr. 2021.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é educação popular. São Paulo: Brasiliense, 2012.

CASTRO, Amanda Motta; MACHADO, Rita de Cássia Fraga. (org). Estudos feministas, mulheres e educação popular. Curitiba: CRV, 2016.

DIÁSPORA AFRICANA (org.); GONZALEZ, LÉLIA. Primavera para as rosas negras: Lélia Gonzalez em primeira pessoa. 1. [S.l.]: Ed. Editora Filhos da África, 2018. 486 p.

EPSJV/FIOCRUZ. Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio. 2020. Disponível em:
. Acesso em: 20 mar.2021.

ESTENSSORO, Luis. Capitalismo, desigualdade e pobreza na América Latina. Orientador: Sedi Hirano 2003. Tese (Doutorado em Sociologia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas,
Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003. Disponível em: . Acesso em: 9 mar. 2021.

FEMINISMO NEGRO: sobre minorias dentro da minoria. [S,l,: s.n.], 2016. Disponível em:
. Acesso em: 5 abr. 2021.

FREIRE, Ana Maria Araújo. Paulo Freire: Uma história de vida. 2ª. ed. rev. e atualizada. Rio de Janeiro/São Paulo, Paz e Terra, 2017.

FREIRE, Paulo. A educação na cidade. 7. ed. São Paulo: Cortez, 1991.

FREIRE, Paulo. Cartas à Guiné-Bissau: Registros de uma experiência em processo. 5ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 34. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 54. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2013.

FUNDAÇÃO CULTURAL PALMARES. Lélia Gonzalez: A mulher que revolucionou o movimento negro. 2019. Disponível em: . Acesso em 05 mar. 2021.

GADOTTI, Moacir. Por uma política nacional de educação popular de jovens e adultos. 1. ed.. São Paulo: Moderna, 2014.

GEBARA, Ivone. Educacção Popular: a ressignificação das expressões. In: CASTRO, A. M. e MACHADO, R. C. F. (org). Estudos Feministas: mulheres e educação popular. Curitiba: CRV, 2016. v.1. p. 189-200.

GONZALEZ, Lélia. A Mulher Negra na Sociedade Brasileira. In: GONZALEZ, Lélia. Primavera para as rosas negras: Lélia Gonzalez em primeira pessoa...Diáspora Africana: Filhos da África, 2018a. p. 34-53.

GONZALEZ, Lélia. A Categoria Político- Cultural da Amefricanidade. In: GONZALEZ, Lélia. Primavera para as rosas negras: Lélia Gonzalez em primeira pessoa...Diáspora Africana: Editora Filhos da África, 2018b. p. 321-334.

HADDAD, Sérgio. O educador: Um perfil de Paulo Freire. São Paulo: Todavia, 2019.

HOOKS, Bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. 2021. Disponível em: . Acesso em 7 abr. 2021.

PERFIL LÉLIA GONZALEZ. IPEA, 2009. Disponível em: encurtador.com.br/jkovH. Acesso em: 9 mar. 2021.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A cruel pedagogia do vírus. Boitempo, 2020.

SOARES, Jussara. Volta às aulas no País e acesso à internet não são temas do MEC, diz ministro. Disponível em: . Acesso em: 5 abr. 2021.

SCHUQUEL, Thayná. Weintraub critica mural de Paulo Freire: “É ou não é feio de doer?”. Disponível em: < https://www.metropoles.com/brasil/politica-brasil/weintraub-critica-mural-de-paulo-freire-e-ou-nao-e-feio-de-doer>. Acesso em: 5 abr. 2021.

STRECK, Danilo R.; REDIN, Euclides; ZITKOSKI, Jaime José (org). Dicionário Paulo Freire. 2. ed. Autêntica, 9299 p., E-book.
Publicado
2021-08-17
Como Citar
BERINO, Aristóteles; MENDONÇA, Andrea Cavalcanti de. Intersecções entre Lélia Gonzalez e Paulo Freire: uma aproximação inicial. Revista Vagalumear, [S.l.], v. 1, n. 1, p. 39-50, ago. 2021. ISSN 2763-9916. Disponível em: <http://periodicos.uea.edu.br/index.php/rv/article/view/2263>. Acesso em: 09 dez. 2021.
Seção
Seção Temática - Centenário Paulo Freire: esperanças praticadas