ITINERÁRIOS GEOMÉTRICOS NA NARRATIVA DE CLARICE LISPECTOR

  • Mariângela Alonso USP

Resumo

Esta pesquisa tem por objetivo a compreensão do procedimento narrativo da mise en abyme em narrativas de Clarice Lispector. Conforme sistematizou Lucien Dallenbach (1977), a mise en abyme caracteriza-se pela autotextualidade ou reduplicação interna da narrativa, demonstrada nas relações possíveis dum texto consigo mesmo, viabilizando os processos de iteração e especularidade. Além disso, a técnica é subscrita ao lado de suportes temáticos de outras artes ou ciências, tais como a matemática, por meio de textos que apresentam em suas bases figuras geométricas, cuja dinâmica contribui para um melhor entendimento e para a potencialidade da obra literária. Desse modo, espera-se focalizar a mise en abyme e a linguagem matemática como forças criativas e questionadoras da obra clariciana, especialmente no que tange à homotetia textual e à geometria presentes nas versões do conto A quinta história e no romance A paixão segundo G. H.H.

Publicado
2017-05-22
Como Citar
ALONSO, Mariângela. ITINERÁRIOS GEOMÉTRICOS NA NARRATIVA DE CLARICE LISPECTOR. ContraCorrente | Revista de Estudos Literários e da Cultura, [S.l.], n. 8, p. 60-73, maio 2017. ISSN 2525-4529. Disponível em: <http://periodicos.uea.edu.br/index.php/contracorrente/article/view/583>. Acesso em: 20 out. 2017.