UMA ÚLTIMA CANÇÃO PARA OS OLHOS: A PRESENÇA DO CINEMA NA POESIA DE AL BERTO

  • Inês Pereira Cardoso Universidade do Porto

Resumo

A poesia produzida durante o século XX explorara, frequentemente, as potencialidades da imagem e dos processos de intermidialidade, a fim de produzir um discurso que visava a contenção do derramamento lírico. Todavia, o que se revela peculiar na obra de Al Berto é, precisamente, a duplicidade de tradições que convoca. Se, por um lado, a visualidade ocupa um lugar fulcral na sua escrita, por outro, torna-se inegável o tom confessional de muitos dos seus poemas. O presente ensaio foca-se, assim, na compreensão da coexistência entre estes dois vetores e no modo como emergem num discurso onde o cinema é, diretamente, convocado para o espetro poético.

Publicado
2017-05-22
Como Citar
CARDOSO, Inês Pereira. UMA ÚLTIMA CANÇÃO PARA OS OLHOS: A PRESENÇA DO CINEMA NA POESIA DE AL BERTO. ContraCorrente | Revista de Estudos Literários e da Cultura, [S.l.], n. 8, p. 40-48, maio 2017. ISSN 2525-4529. Disponível em: <http://periodicos.uea.edu.br/index.php/contracorrente/article/view/579>. Acesso em: 23 out. 2017.