POTYGUÊS

um manyfesto lyteráryo decolonyal de demarcação do ymagynáryo-terra

  • Alessandra Guterres Deifeld Universidade Federal de Santa Catarina
  • Artur de Vargas Giorgi UFSC

Resumo

O artigo faz uma reflexão acerca do potyguês, um manifesto literário proposto por Juão Nyn (2020), aqui pensado a partir da perspectiva decolonial como uma forma de demarcação do que se compreende como imaginário-terra. Inicialmente, abordamos o processo de constituição do indígena enquanto sujeito político e de direitos. Num segundo momento, a sua criação artística é considerada como um movimento estético-político que ocasiona um friso na projeção do Ocidente, projeção que em geral enquadra esse sujeito, arbitrariamente, na categoria Outro – o pluriverso indígena. A inflexão proposta é fomentada a partir da discussão teórica e crítica, tendo como objetivo expressar o potyguês como uma forma de retomada do saber ancestral capaz não só de ocasionar rupturas e a desierarquização das artes, mas também de evitar que a demarcação indígena no espaço simbólico fique à mercê da palavra historicamente tutelada. O produto desta colheita é a proposição do potyguês como uma nova travessia, sustentada pela literatura indígena contemporânea, que desaprende estereótipos, ao mesmo tempo em que legitima manifestações artísticas de corpos dissidentes.

Publicado
2021-12-31
Como Citar
DEIFELD, Alessandra Guterres; GIORGI, Artur de Vargas. POTYGUÊS. ContraCorrente: Revista do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas, [S.l.], n. 17, p. 261-280, dez. 2021. ISSN 2525-4529. Disponível em: <http://periodicos.uea.edu.br/index.php/contracorrente/article/view/2233>. Acesso em: 01 out. 2022.