AS CONDIÇÕES DE PRODUÇÃO DO DISCURSO MIDIÁTICO NA CHEIA DO RIO MADEIRA DE 2014

  • Rosália Aparecida da Silva UNIR
  • Nair Ferreira Gurgel do Amaral UNIR

Resumo

Este estudo trata da relação entre linguagem, mídia, história e identidade cultural, tendo por corpus o material publicado na imprensa escrita de Porto Velho-Rondônia, no período de outubro de 2013 a setembro de 2014, durante a cheia do Rio Madeira. O objetivo geral é analisar de que forma as condições de produção do discurso influenciaram na noticiabilidade dos fatos. Também se verifica como se dá a aproximação da linguagem midiática com o evento de transbordamento do rio por meio da variação no número de publicações tal qual a subida e descida das águas. Com referências teóricas de Maingueneau (1993; 1998; 2013; 2016); e Gregolin (2000; 2003), compreende-se de que forma o linguístico, o histórico e a materialidade de um acontecimento real e que é tornado midiático contribuem para formar efeitos de sentidos e discursos. O acompanhamento sistemático e diário feito pela mídia no auge da cheia contribuiu para ampliar sua visibilidade e para ajudar a agendar o debate social por meio de espetacularização e midiatização, transformando e mantendo o sentido de uma cheia histórica.

Publicado
2020-11-18
Como Citar
SILVA, Rosália Aparecida da; AMARAL, Nair Ferreira Gurgel do. AS CONDIÇÕES DE PRODUÇÃO DO DISCURSO MIDIÁTICO NA CHEIA DO RIO MADEIRA DE 2014. ContraCorrente: Revista do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas, [S.l.], n. 14, p. 108-124, nov. 2020. ISSN 2525-4529. Disponível em: <http://periodicos.uea.edu.br/index.php/contracorrente/article/view/1969>. Acesso em: 05 dez. 2020.