REPRESENTAÇÃO GEOGRÁFICA INDÍGENA: UMA REFLEXÃO SOBRE A PRODUÇÃO CARTOGRÁFICA DO POVO ASSURINI DO TROCARÁ/PA E DO POVO TEMBÉ DO GURUPI/PA

  • Elson Mateus Monteiro Sousa Universidade do Estado do Pará
  • Joelma Cristina Parente Monteiro Alencar Universidade do Estado do Pará

Resumo

Das pinturas rupestres aos mapas elaborados em softwares, a cartografia tem sido caracterizada como a principal técnica de representação do espaço-geográfico. Contudo, ao consultar a literatura acadêmica, observam-se poucos trabalhos a respeito da maneira indígena de representar o seu território, de produzir a sua própria cartografia, o que de forma alguma expressa a realidade indígena, repleta de elementos que configuram uma linguagem cartográfica peculiar, rica e carregada de simbolismos. Considerando esta problemática, este artigo tem como objetivo analisar a produção cartográfica indígena a partir da representação do seu espaço, relacionando-a ao ensino de geografia na educação escolar indígena dos povos Assurini do Trocará e Tembé do Gurupi, habitantes da T.I Trocará e da T.I Alto Rio Guamá, respectivamente, localizadas no Estado do Pará. Nele, parte-se de uma abordagem de estudo qualitativa com um tipo de pesquisa documental a partir das produções cartográficas e textuais de alunos e professores indígenas. A análise dos materiais revela que a produção cartográfica desses povos reúne condições para se tornar um componente essencial no ensino de geografia desenvolvido nas escolas indígenas de ambas as comunidades, corroborando o previsto na seção destinada ao ensino de Geografia no Referencial Curricular Nacional para as Escolas Indígenas (RCNEI).

Publicado
2019-12-30
Como Citar
SOUSA, Elson Mateus Monteiro; ALENCAR, Joelma Cristina Parente Monteiro. REPRESENTAÇÃO GEOGRÁFICA INDÍGENA: UMA REFLEXÃO SOBRE A PRODUÇÃO CARTOGRÁFICA DO POVO ASSURINI DO TROCARÁ/PA E DO POVO TEMBÉ DO GURUPI/PA. ContraCorrente: Revista do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas, [S.l.], n. 10, p. 58-76, dez. 2019. ISSN 2525-4529. Disponível em: <http://periodicos.uea.edu.br/index.php/contracorrente/article/view/1635>. Acesso em: 24 jan. 2020.