Contando a história de um objeto: o Porta-Caneta Sarcófago

  • Maria Evany do Nascimento UEA

Resumo

Os objetos que portamos dizem de nós mesmos e da sociedade que o produziu e consome, pois, está carregado de significados que podem ser lidos e interpretados. Considerando áreas específicas de conhecimento, os objetos podem nos dizer diferentes coisas. Neste texto, no entanto, pretende-se ler um objeto numa perspectiva transdisciplinar. Não se deter em uma teoria específica, mas aprofundar a leitura do objeto pela teoria aplicada. Parte-se de referenciais teóricos da área das ciências humanas e sociais relacionados à cultura como história da arte (MacGregor, 2013), antropologia (Miller), literatura (Lobato, 2014), semiótica (Niemeyer, 2003) e design (Forty, 2007). Metodologicamente traça-se o percurso da história do objeto, um porta-canetas em formato de sarcófago, partindo da sua escolha para esta análise, passando por abordagens sobre o nome, características formais e materiais, a contextualização e trajetória do objeto além de uma discussão sobre diferentes categorias de valor. Com isso, o objeto é apresentado sob diferentes prismas nas suas dimensões material e imaterial possibilitando uma leitura da sociedade e do indivíduo portador de objetos.

Publicado
2018-11-30
Como Citar
NASCIMENTO, Maria Evany do. Contando a história de um objeto: o Porta-Caneta Sarcófago. Contra Corrente, [S.l.], n. 12, p. 99-110, nov. 2018. ISSN 2525-4529. Disponível em: <http://periodicos.uea.edu.br/index.php/contracorrente/article/view/1211>. Acesso em: 15 dez. 2018.