Variação, preconceito e intolerância linguística: do ambiente físico para o digital

  • Camilla dos Santos Evangelista UEA
  • Nathalie Anne Conceição de Barros UEA
  • Silvana Andrade Martins UEA

Resumo

O presente artigo apresenta reflexões sobre o preconceito e a intolerância linguística que, contemporaneamente, têm sido evidenciados nas redes sociais, especificamente, no Facebook. Foram analisados alguns comentários de um post o qual ganhou notoriedade nas redes sociais por ter sido publicado por um famoso cantor brasileiro, no qual, segundo os preceitos da teoria da Sociolinguística Variacionista, manifesta-se, com veemência, o preconceito linguístico. Para fins de fundamentação teórica, utilizaram-se as obras de Bagno (2015, 2008, 2003), Oliveira (2012), Leite (2008), Soares (2000) e dentre outros, os quais abordam e trazem reflexões a respeito da relação entre as variações linguísticas, categorias sociais, as funções do uso da língua e o preconceito linguístico. Ao observar como os fãs do cantor se portam diante de tal situação referente às variações da língua, constatou-se que a grande maioria concorda com tal prejulgamento, menosprezo e opressão ao indivíduo desviante das normas cultas da língua, tal como mostrado na postagem. Isso permitiu que se confirmasse a presença do preconceito linguístico em ambiente virtual, demonstrando que essa discriminação linguística já fortemente disseminada em ambiente físico também se propagou nas redes sociais, com o advento da era digital.

Publicado
2018-11-30
Como Citar
EVANGELISTA, Camilla dos Santos; BARROS, Nathalie Anne Conceição de; MARTINS, Silvana Andrade. Variação, preconceito e intolerância linguística: do ambiente físico para o digital. Contra Corrente, [S.l.], n. 12, p. 70-85, nov. 2018. ISSN 2525-4529. Disponível em: <http://periodicos.uea.edu.br/index.php/contracorrente/article/view/1209>. Acesso em: 15 dez. 2018.