CIRCULARIDADES ENTRE A ESCOLA E O CINEMA: INSURGÊNCIAS PEDAGÓGICAS NA LUTA ANTIRRACISTA

  • Luis Paulo Cruz Borges Instituto Fernando Rodrigues da Silveira dada Universidade do Estado do Rio de Janeiro http://orcid.org/0000-0002-2153-5229
  • João Pedro da Silva Costa Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Resumo

A partir do Projeto de Iniciação à Docência (ID) pensamos uma didática racial na escola do tempo presente. Objetivamos contribuir com tantas inquietações na/para a formação docente, sobretudo uma formação inicial, pretendendo avançar por novas outras questões que se põem entre a escola de educação básica e a universidade a partir dos dispositivos das Leis 10.639 e 11.645, sobre questões raciais. Tomamos como interlocutores, em nossas teorizações, Nilma Lino Gomes, Azoilda Loretto da Trindade, bell hooks, Vera Candau, Sônia Kramer e Perseu Silva. Nosso desafio é pensar/agir/lutar a favor de práticas antirracistas no cotidiano escolar. Metodologicamente, trabalhamos a partir de curtas-metragens, em uma turma de 5º ano do Ensino Fundamental ao longo do ano letivo de 2020. À guisa de conclusão, as vozes das crianças são lidas como potências que nos ensinam mais e mais sobre um mundo Outro problematizando questões de raça/cor e, dessa maneira, produzindo insurgências pedagógicas sensíveis à realidade da escola.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Professor Adjunto do Instituto Fernando Rodrigues da Silveira da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (CAp-UERJ).

##submission.authorWithAffiliation##

Graduando em Artes pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e bolsista de Iniciação à Docência (ID) pelo Departamento de Estágios e Bolsas (CETREINA/UERJ). 

Referências

AUMONT, J. et al. O olho interminável. São Paulo: Cosac Naif, 2004
BARROS JÚNIOR, F. de O. O sociólogo vai ao cinema. Teresina: Editora da Universidade Federal do Piauí, 2020.
BASTOS, P. de J; ANDRADE, C.C.S. Conversando com professores sobre cinema. In: Maria Beatriz Dias da Silva Maia Porto; Maria Cristina Ferreira dos Santos. (Org.). Cotidiano e currículo na educação básica: produtos educacionais e processos formativos. 1ed.São Carlos: Pedro e João Editores, 2020, v. 1, p. 131-148.
BENTO, M. A. Branqueamento e branquitude no Brasil. In: CARONE, I; BENTO, M. A. S. (orgs). Psicologia social do racismo – estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. Petrópolis, RJ: Vozes, p. 25-58, 2002.
CANDAU,V. M. Pedagogias Decoloniais e Interculturalidade: Insurgências. 1. ed. Rio de Janeiro: APOENA, 2020. v. 1. 263p .
FERREIRA, W.; PAIN, R. de S; SOUZA, G.N.; SILVA, A.O. A formação docente em Sociologia no CAp-UERJ: uma experiência entre o ensino curricular e a extensão universitária. Revista e-Mosaicos, v. 09, p. 46-59, 2020.
FONTOURA, H. A. Iniciação à Docência: espaço fecundo de formação de professores. In: FONTOURA, H. A. (org.). Diálogos em Formação de Professores: pesquisas e práticas. Niterói: Intertexto, 2007.
GOMES, N. L. Educação, identidade negra e formação de Educação e Pesquisa. São Paulo, v.29, n.1, p. 167-182, 2003.
HOOKS, b. Ensinando a transgredir: a educação como prática de liberdade. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2013.
HOOKS, b. Erguer a voz: pensar como feminista, pensar como negra. Tradução de Cátia Bocaiúva Maringolo. São Paulo: Elefante, 2019.
KRAMER, S. A infância e sua singularidade. In: BRASIL. Secretaria da Educação Básica. Ensino fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007 (p. 13-23).
KRENAK, A. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.
LEITÃO, C. F. A circularidade de saberes e o exercício de poder na experiência dos coletivos de autoformação. Dissertação (Mestrado em Educação), Rio de Janeiro, PROPEd/UERJ, 2002.
MONTIGNEAUX, N. Público Alvo: crianças. São Paulo: Negócio Editora, 2003.
MUNSTENBERG, H. A atenção. In: XAVIER, I. (Org.) A experiência do cinema: antologia. Rio de Janeiro: Edições Graal: Embrafilme, p. 27-35, 2003.
NASCIMENTO, A. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. 1.ed. São Paulo: Perspectivas, 2016.
NOGUERA, R. “Infância em afroperspectiva: articulações entre sankofa, ndaw e terrixistir” Revista Sul-Americana de Filosofia e Educação – RESAFE, n.31, mai-out 2019, pp.53-70
NAPOLITANO, M. Como usar o cinema na sala de aula. São Paulo: Contexto, 2003.
OLIVEIRA, I. B. O currículo como criação cotidiana. Petrópolis: RJ, DP et Alii; Rio de Janeiro: FAPERJ, 2012.
PINAR, W. Estudos curriculares: ensaios selecionados. São Paulo: Cortez, 2016.
SILVA, C. M. da S. P. da. et al. Conexões em afeto: bases para a construção de uma escola nas nuvens. Revista Perspectivas em educação básica. n. 4, Março de 2021.
SILVA, P. P. Infâncias, Crianças e Educação: reflexões para educar contra a barbárie. Revista Digital Formação em Diálogo, v. 2, p. 67-78, 2019.
TRINDADE, A. L. da. Valores civilizatórios afro-brasileiros na Educação Infantil. In: TRINDADE, A. L. da (org.). Africanidades brasileiras e educação: salto para o futuro. Rio de Janeiro: ACERP; Brasília, DF: TV ESCOLA, 2013. p. 131-138.
Publicado
2022-12-31
Como Citar
BORGES, Luis Paulo Cruz; COSTA, João Pedro da Silva. CIRCULARIDADES ENTRE A ESCOLA E O CINEMA: INSURGÊNCIAS PEDAGÓGICAS NA LUTA ANTIRRACISTA. Revista Vagalumear, [S.l.], v. 2, n. 3, p. 111-122, dez. 2022. ISSN 2763-9916. Disponível em: <https://periodicos.uea.edu.br/index.php/rv/article/view/2442>. Acesso em: 23 jun. 2024.