VIVÊNCIAS SOBRE VIRTUALIDADE E AFETIVIDADE NOS PROCESSOS DE ENSINO-APRENDIZAGEM

Resumo

A afetividade se constitui como base para a ação humana, logo, uma compreensão ampla que envolva essa dimensão, é essencial para os processos de ensino-aprendizagem. Tendo em vista a importância atribuída à afetividade para a construção de um cenário promissor para a aprendizagem, questiona-se como esse vínculo pode ser construído em um ambiente virtual, decorrente do contexto pandêmico atual, em que as aulas presenciais foram suspensas e deram lugar ao ensino remoto. A intenção é refletir sobre aspectos associados à relação professor-aluno e ao processo ensino-aprendizagem mediado por telas a partir de vivências em sala de aula e de relatos te´óricos e empíricos sobre o tema, de maneira a possibilitar estratégias para manter a sala de aula virtual e a relação professor-aluno permeada por afetos primordiais como o acolhimento e o suporte necessários para o desenvolvimento do discente.


 

##submission.authorBiography##

##submission.authorWithAffiliation##

Doutora em Psicologia pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações - PSTO/UNB (2016-2019). Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal do Amazonas (2013) e mestrado em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (PPGP-UFSC). Conselheira Fiscal da Associação Brasileira de Psicologia Ambiental e das Relações Pessoa-Ambiente (ABRAPA) e membro da Associação Brasileira de Psicologia Social (ABRAPSO), Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Psicologia (ANPEPP) e da International Association People-Environment Studies (IAPS). Atua principalmente nos seguintes temas: psicologia ambiental, percepção ambiental, psicologia social, ambientes restauradores, ambientes residenciais, docilidade ambiental, relação idoso-ambiente, relação criança-ambiente, dentre outros temas que articulem desenvolvimento humano e relações socioambientais.

Referências

CAMARGO, Denise de. As emoções e a escola. Curitiba: Travessa dos Editores, 2004.
FALCÃO, Gerson Marinho. Psicologia da Aprendizagem. São Paulo: Ática, 2002.
LEITE, Sérgio Antônio da Silva. Afetividade nas práticas pedagógicas. Temas em Psicologia, v. 20, n. 2, p. 355-368, 2012.
LIMA, Márcia Rejane Lopes. A relação afetiva entre professor e aluno: a concepção de professores antes e durante a pandemia de COVID-19. 2020. 90f. Trabalho de Conclusão de Curso. Licenciatura Plena em Pedagogia. Centro de Educação da Universidade Federal da Paraíba. Lucena, PB.
MELLO, Suely Amaral. A escola de Vygotsky. In Kester CARRARA (org.). Introdução à Psicologia da Educação: seis abordagens (pp. 135-156), São Paulo: Avercamp, 2004.
NASCIMENTO, Maria Letícia B. P. A criança concreta, completa e contextualizada: a Psicologia de Henri Wallon. In Kester CARRARA (org.). Introdução à Psicologia da Educação: seis abordagens (pp. 47-70), São Paulo: Avercamp, 2004.
PILETTI, Nelson; ROSSATO, Solange Marques; ROSSATO, Geovanio. Psicologia do Desenvolvimento. São Paulo: Contexto, 2018.
PILETTI, Nelson; ROSSATO, Solange Marques. Psicologia da Aprendizagem: da teoria do condicionamento ao construtivismo. São Paulo: Contexto, 2019.
SANTOS, Geny; MENDONÇA, Marilane. Pandemia e o ensino remoto: uma reflexão acerca da vivência afetivo-emocional dos estudantes. Revista Educação e Humanidades, v. 2, n. 1, p. 110-131, 2021.
SOUSA, Jordana Gracielle de Jesus; MOTA, Gustavo Mendonça; BECKER, Tatiely Pereira de Araújo; PARANAHYBA, Jordana de Castro Balduíno. Afetividade na relação professor-aluno no ensino remoto emergencial: uma experiência de estágio. Revista de Educação à distância, v. 8, n. 1, p. 1-19, 2021.
Publicado
2022-12-31
Como Citar
ALBUQUERQUE, Dayse da Silva. VIVÊNCIAS SOBRE VIRTUALIDADE E AFETIVIDADE NOS PROCESSOS DE ENSINO-APRENDIZAGEM. Revista Vagalumear, [S.l.], v. 2, n. 3, p. 90-98, dez. 2022. ISSN 2763-9916. Disponível em: <https://periodicos.uea.edu.br/index.php/rv/article/view/2340>. Acesso em: 20 jul. 2024.
Seção
Dossiê: Psicologia, educação e exclusões - ecos da pandemia.