Sobreviver, esperançar, vagalumear

Resumo

Esperançar em escrita vivendo tempos de regulação autoritária, por tantas vezes, parece algo impossível. Contudo, esse artigo não convida ao impossível, mas à “deslógica”, à subversão, ao outro lado da linha. Nesse outro lugar, vagalumes dançam sem se importarem com a invisibilidade ou com o suposto desaparecimento de seus brilhos intermitentes. O presente artigo se propõe a realizar um estudo narrativo-teórico enredando os movimentos de sobreviver, esperançar e vagalumear. Dialogando com a produção de Didi-Huberman e Latour, esperançando com Paulo Freire e reexistindo com os vaga-lumes, tecemos aqui a sensibilidade metodológica que permite acessar o que hegemonicamente nos foi apresentado enquanto inacessível. Trata-se de pequenas esperanças cotidianas, inscritas no apesar de tudo (DIDI-HUBERMAN, 2011), que nos fazem sobreviver.

##submission.authorBiography##

##submission.authorWithAffiliation##

Professora Adjunta da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Doutora em Educação formada pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Espírito Santo e mestre em Educação formada no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Possui graduação em Pedagogia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1998) e especialização em Supervisão Educacional pela Universidade Cândido Mendes (2002). É coordenadora do grupo de pesquisa Ecologias do Narrar e do projeto de extensão Reinvenção do Ler, do Escutar, do escrever e do Falar com Você.

Referências

ALIGHIERI, Dante. A divina comédia. 13. reimp. São Paulo: Martin Claret, 2013.

BARONI, Patrícia. Sustentabilidades praticadaspensadas: lampejos de pirilampos das escolas de dificílimo acesso de Duque de Caxias/RJ. 2016. 238 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2016.

DELEUZE, Gilles. GUATTARI, Felix. Por uma literatura menor. Belo Horizonte: autêntica editora, 2014.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Sobrevivência dos vaga-lumes. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 24. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2007.

LATOUR, Bruno. Políticas da natureza: como fazer ciência na democracia. Bauru: Edusc, 2004.

LATOUR, Bruno. A esperança de Pandora. Bauru: Edusc, 2001.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Rio de Janeiro: Ed.34, 1994.

MATURANA, Humberto. Emoções e linguagem na educação e na política. 3.ed. Belo Horizonte: UFGM, 2002.

PASOLINI, Pier Paolo. Escritos corsários: cartas luteranas. Lisboa: Assírio & Alvim, 1975.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para além do pensamento abissal das linhas globais a uma ecologia dos saberes. In: SANTOS, Boaventura de Souza; MENEZES, Maria Paula (Orgs). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Pela mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. 2.ed. São Paulo: Cortez, 2008.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. 6.ed. São Paulo: Cortez, 2007.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. São Paulo: Cortez 2006.
Publicado
2021-08-17
Como Citar
BARONI, Patrícia. Sobreviver, esperançar, vagalumear. Revista Vagalumear, [S.l.], v. 1, n. 1, p. 65-74, ago. 2021. ISSN 2763-9916. Disponível em: <http://periodicos.uea.edu.br/index.php/rv/article/view/2265>. Acesso em: 17 set. 2021.
Seção
Seção Temática - Centenário Paulo Freire: esperanças praticadas