A GESTÃO DA CIDADE EDUCADORA: DECISÃO, VIVÊNCIAS E DESAFIOS

Resumo

O texto que ora apresentamos discorre sobre núcleos fundantes que ancoram o processo de gestão da cidade educadora com ênfase à democracia, participação e intersetorialidade. A reflexão é subsidiada por autores como Moll (2018), Levinski (2008), Tascheto (2019), Santos


(2016), Freire (1997), pela experiência da cidade de Soledade/RS e por interrogações que emergem do cotidiano de um território educador. É uma temática que desafia os diferentes sujeitos que compõem o cenário municipal, em especial, os gestores de diferentes campos de atuação, considerando o compromisso com os princípios constitucionais, as premissas da Carta das Cidades Educadoras e a materialização de políticas públicas que intencionam a melhoria da qualidade de vida das pessoas. No decorrer do artigo abordaremos o percurso da cidade, as práticas de gestão participativa e os desafios que mobilizam os sujeitos da práxis. O estar sendo cidade educadora remete permanentemente para a reflexão crítica sobre a relação entre projeto assumido publicamente e as práticas cotidianas que fazem a cidade um território educador.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Possui graduação em Pedagogia - L (1983), especialização em Fundamentos Metodológicos da Educação (1985) e em Alfabetização (1989) e mestrado em Educação (2000) pela Universidade de Passo Fundo (UPF) e doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2008). Atuou como professora titular da Universidade de Passo Fundo em cursos de graduação (Pedagogia e Ciências Biológicas - LP), de pós-graduação lato sensu das áreas da educação e ambiental, em projetos de pesquisa e de extensão na linha das políticas educacionais e em espaços de gestão institucional. Participou de conselhos representativos no âmbito da instituição e de fóruns educacionais nas esferas municipal e estadual. É membro do Conselho Fiscal da Associação de Escolas Superiores de Formação de Professores do Ensino do RS (AESUFOPE). Integrou o quadro docente da rede estadual de ensino do RS com atuação em escolas de ensino fundamental e médio. Realiza assessorias técnico-pedagógicas para a educação básica, com ênfase nas políticas e gestão do ensino público e para cidades educadoras. Aborda e publica, com mais ênfase, temáticas como políticas e gestão da educação, gestão democrática e formação de professores. 

##submission.authorWithAffiliation##

Possui graduação em Ciências pela Universidade de Passo Fundo - UPF (1995). Especialista em Supervisão Escolar (2002) e Políticas e Gestão da Educação- UPF(2017). Mestre em Educação – UPF (2020). Participante do Grupo de Pesquisa e Extensão em Políticas e Gestão da Educação – GPEPGE e do Grupo de Pesquisa Movimentos Sociais Populares, Estado e Políticas Públicas. Professora da educação básica  na rede estadual do RS. Atuou como docente convidada no curso de Pedagogia - Plano Nacional de Formação de Professores (Parfor) da Universidade de Passo Fundo,  de agosto a setembro de 2019. Membro do Comitê Municipal da Cidade Educadora. Desenvolve estudos e publicações na área das políticas e gestão da educação, formação de professores e gestão democrática. Atualmente é Diretora Geral da Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Desporto de Soledade. Representante dos dirigentes municipais de educação da Associação dos Municípios do Alto da Serra do Botucaraí (AMASBI).

##submission.authorWithAffiliation##

Graduada em Pedagogia pela Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) 2009. Especialista em Educação Inclusiva pela Universidade Tuiuti do Paraná (UTP). Professora de Educação Infantil no Sistema Municipal de Ensino de  Soledade. Atualmente é assessora pedagógica na SMECD- Soledade. 

Referências

CENPEC, Cenpec. Carta das Cidades Educadoras. In: Educação e Cidade. Cadernos do CENPEC, São Paulo n 1 p. 156-161, Maio, 2006.

Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

CRAIDY, Carmem. O enlaçamento do processo educativo com o projeto de cidade. Revista Fazeres e Saberes Educativos. Prefeitura Municipal de Getúlio Vargas. Nº 1, 2002.

DAGNINO, E; OLVERA, A.; PANFICHI, A. (orgs.). 2006. A disputa pela construção democrática na América Latina. São Paulo/Campinas, SP: Paz e Terra/Unicamp

FREIRE, Paulo. II Congresso Internacional de Cidades educadoras, Gotenburgo, Suécia, 25-27 Novembro, 1992.

_______. A educação na cidade. 5a edição, São Paulo: Cortez, 2001.

FRANCO, Francisco Carlos; PRADOS, Rosalia Maria Netto; MENDES BONINI, Luci. Cultura, cidadania e patrimônio cultural: interfaces entre a escola, a cidade e as políticas culturais na cidade de Guararema, SP. Perspectiva, Florianópolis, v. 33, n. 1, p. 319-344, jun. 2015. ISSN 2175-795X.

LEVINSKI, E. Z. A dimensão político-pedagógica do processo participativo no ensino público municipal de Getúlio Vargas – RS. 2008. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008.
MOLL, Jaqueline. A Cidade Educadora como Possibilidade: apontamentos. In: TOLEDO, Leslie; FLORES, Maria Luiza Rodrigues; CONZATTI, Marli (Org.). Cidade Educadora: a experiência de Porto Alegre. São Paulo: Editora Cortez, 2004.V. 2. P. 39-46.
SANTOS, B. S. 2000. A crítica da razão indolente – Contra o desperdício da experiência. São Paulo: Cortez.

____A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. São Paulo: Cortez, 2001.
SANTOS, Milton. As cidadanias mutiladas. O preconceito. p. 133-144, 1996a. Disponível em: http://www.miltonsantos.com.br/site/wp-content/uploads/2011/12/As-cidadanias-mutiladas_ MiltonSantos1996-1997SITE.pdf > Acesso em 19 de julho de 2020.
Publicado
2022-01-30
Como Citar
LEVINSKI, ELIARA ZAVIERUKA; BRUM DE AZAMBUJA, ´Ádria; RUAS SILVEIRA, Eloá. A GESTÃO DA CIDADE EDUCADORA: DECISÃO, VIVÊNCIAS E DESAFIOS. Revista Vagalumear, [S.l.], v. 2, n. 2, p. 51-63, jan. 2022. ISSN 2763-9916. Disponível em: <http://periodicos.uea.edu.br/index.php/rv/article/view/2349>. Acesso em: 01 dez. 2022.