Saúde mental e trabalho: Estresse em trabalhadores da saúde na cidade de Manaus

  • Evangeline Maria Cardoso UEA
  • Socorro de Fátima Moraes Nina UEA
  • Laura Jane Brasil UEA
  • Adenilda Texeira Arruda UEA

Resumo

O estresse ocupacional atinge grande número de trabalhadores com graves consequências, principalmente doenças cardiovasculares e transtornos mentais. Os
profissionais de saúde tem como objeto a vida e grande responsabilidade no cuidar de pessoas fragilizadas, demandando agilidade e decisão na definição de prioridades em situações emergência, estando submetidos a cargas de estresse. Desse modo o artigo se propõe a analisar a prevalência do estresse em trabalhadores da saúde pública de Manaus. Pesquisa quantitativa, transversal, com base em estudo empírico, utilizando o Inventário de Sintomas de Stress para Adultos de Lipp. A amostra foi composta por 679 trabalhadores, com média de 40 anos de idade (DP+10,53), 74,4% mulheres e 48,7% com escolaridade de nível médio. Aproximadamente 46% apresentaram sintomas compatíveis com estresse, sendo 34% na fase de resistência. As mulheres e os trabalhadores que referiram não praticar atividade física ou algum hobby apresentaram maiores chances de desenvolver sintomas relacionados ao estresse, com associação significativa. O estudo apresentou a importância de ampliar o conhecimento sobre o tema e fomentar a implantação de medidas coletivas de redução de riscos, tais como a prática de exercício físicos ou hobbys, que demonstraram efeito positivo na saúde mental do trabalhador.

Publicado
2016-12-01
Como Citar
CARDOSO, Evangeline Maria et al. Saúde mental e trabalho: Estresse em trabalhadores da saúde na cidade de Manaus. Revista de Ciências da Saúde da Amazônia, [S.l.], n. 2, dez. 2016. ISSN 2447-486X. Disponível em: <http://periodicos.uea.edu.br/index.php/cienciasdasaude/article/view/771>. Acesso em: 21 jul. 2018.
Edição
Seção
Artigos