Diagnóstico tardio de Tetralogia de Fallot: Relato de Caso

  • Thayane Louzada Ferreira Guimarães UFAM
  • Wilderi Sidney Gonçalves Guimarães UFAM
  • Ana Paula Bomfim de Borborema Alfaia UFAM
  • Suely Regina da Silva Teles UFAM

Resumo

Cardiopatias congênitas são anomalias do aparelho circulatório presentes desde o nascimento, sendo divididas em cianóticas e acianóticas. A Tetralogia de Fallot é a cardiopatia cianótica mais comum, caracterizada por comunicação interventricular, estenose subpulmonar, origem biventricular da valva aórtica e hipertrofia ventricular direita. O diagnóstico costuma ser realizado no primeiro ano de vida devido às manifestações clínicas precoces, na maioria dos casos. Contudo, em alguns casos, a associação de outras malformações cardíacas e falhas no sistema de saúde podem contribuir para realização de diagnósticos tardios, aumentando a probabilidade de prognósticos desfavoráveis. Objetivo: Relatar o caso de um paciente adolescente com diagnóstico tardio de Tetralogia de Fallot, apresentando complicações sistêmicas da cianose. Foi tratado cirurgicamente, evoluindo de forma satisfatória. Conclusão: Apesar dos avanços científicos e  tecnológicos na medicina, ainda é possível identificar pessoas em idades avançadas e portadoras de comorbidades graves não diagnosticadas, como as cardiopatias congênitas, resultando em maiores complicações ou até a morte se não diagnosticadas a tempo. Tal fato corrobora a necessidade de conscientização das equipes de saúde para a identificação precoce de casos suspeitos.

Publicado
2016-12-01
Como Citar
GUIMARÃES, Thayane Louzada Ferreira et al. Diagnóstico tardio de Tetralogia de Fallot: Relato de Caso. Revista de Ciências da Saúde da Amazônia, [S.l.], n. 2, dez. 2016. ISSN 2447-486X. Disponível em: <http://periodicos.uea.edu.br/index.php/cienciasdasaude/article/view/769>. Acesso em: 13 dez. 2017.
Edição
Seção
Relato de Caso