INFÂNCIA INDÍGENA: AS CRIANÇAS SATERÉ-MAWÉ COMO PRODUTORAS DE CULTURAS

  • Roberto Sobrinho

Resumo

O presente artigo consiste na apresentação dos resultados da pesquisa
realizada junto à comunidade indígena da etnia Sateré-Mawé que se localiza em uma
área urbana na cidade de Manaus, tendo como sujeitos um grupo de 12 crianças entre
04 e 12 anos que durante 08 meses foram nossas interlocutoras e nos evidenciaram,
através de diversas linguagens, como elas vivem e constroem suas culturas da infância,
tendo tanto os elementos tradicionais da cultura de seu povo como as diversas
influências do meio urbano, elencados nos seus jeitos de viver a infância. O texto reflete
juntamente com as crianças a importância da valorização da cultura Sateré-Mawé,
através das brincadeiras, dos rituais, das músicas tradicionais e da língua, e como
neste “entre-lugar” – o espaço urbano – são construídas estratégias para garantir o jeito
de ser criança, de ser Sateré-Mawé e ainda de se relacionar com o “mundo” e a escola
do “branco”.

Publicado
2017-05-15
Como Citar
SOBRINHO, Roberto. INFÂNCIA INDÍGENA: AS CRIANÇAS SATERÉ-MAWÉ COMO PRODUTORAS DE CULTURAS. Revista Areté | Revista Amazônica de Ensino de Ciências, [S.l.], v. 3, n. 5, p. 16-38, maio 2017. ISSN 1984-7505. Disponível em: <http://periodicos.uea.edu.br/index.php/arete/article/view/371>. Acesso em: 19 nov. 2019.
Seção
Artigos