A EFETIVIDADE DOS SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL COMO FATOR COMPETITIVO: ESTUDO DE CASO DE EMPRESAS DO POLO INDUSTRIAL DE MANAUS

  • Thayná Oliveira Lima UFAM
  • Sabrina Castro da Silva UFAM
  • Jurandir Moura Dutra UFAM
  • Alexandre Pirangy de Souza UFAM

Resumo

O desenvolvimento das atividades humanas, no processo histórico, tem afetado diretamente as relações socioambientais, cujos danos podem ser irreversíveis ao ambiente. Uma infinidade de iniciativas vem sendo tomadas, no sentido de reduzir esses impactos, adotando estratégias de mercado capazes de corroborar com o desenvolvimento sustentável. No segmento empresarial, as indústrias vêm cada vez mais adotando uma postura mais adequada em relação ao meio, permanecendo na vanguarda de seus concorrentes com produtos diferenciados e ecologicamente corretos. Nesse sentido, este estudo buscou analisar o grau de efetividade do Sistema de Gestão Ambiental (SGA) implementados em indústrias do Polo Industrial de Manaus, procurando entende-lo como um diferencial competitivo, sempre na expectativa do consumidor e observando a perspectiva da Norma ISO 14001. Delineamos este artigo com uma revisão da literatura clássica acerca das relações empresa versus meio ambiente, bem como dos primórdios do SGA desde sua origem mostrando esse sistema não como um problema para as organizações, mas como uma alternativa eficaz para a reinserção mais competitiva das empresas no cenário mercadológico global. A fim de compreender o fenômeno adotou-se o método do estudo de caso, analisando relatórios e sites, de segmentos industriais diferentes, a fim de compreender a componente ambiental em sua estratégia de negócios. Os resultados iniciais sugerem que o SGA coloca a empresa na dianteira dos seus concorrentes e contribui para reduzir os impactos ambientais do processo produtivo.

Publicado
2018-01-01
Como Citar
LIMA, Thayná Oliveira et al. A EFETIVIDADE DOS SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL COMO FATOR COMPETITIVO: ESTUDO DE CASO DE EMPRESAS DO POLO INDUSTRIAL DE MANAUS. Amazon Business Research, [S.l.], n. 2, p. 154-174, jan. 2018. ISSN 2595-8909. Disponível em: <http://periodicos.uea.edu.br/index.php/abr/article/view/1117>. Acesso em: 18 dez. 2018.
Seção
Artigos